Social Media Icons

slide code

Photo

Michele
Michele, 26 anos, ex-escritora de fanfic e agora escritora de livro de verdade.

mais?

follow mih

social media icons 2

Search

categoria 1

amor

categoria 2

lista

categoria 3

pessoal

post fresquinho na sua caixa de entrada

Mulher-Maravilha: um filme realmente maravilhoso

Sério, eu não consigo começar esse post sem definir esse filme com uma única palavra: MARAVILHOSO. Me perdoem pelo clichê de usar o nome da heroína para resumir o que achei sobre o longa, mas não tem jeito - o filme da Mulher Maravilha faz jus ao seu nome. 

Não existe outra palavra para descrever essa obra cinematográfica. Não estou dizendo que ele é perfeito em todos os sentidos, até porque teve algumas coisinhas que eu tive que torcer o nariz, mas, de modo geral, que lindeza de filme. E que surpresa boa, principalmente depois da polêmica com Batman vs Superman, que teve um hype imenso, mas que, no final, achei que deixou a desejar.

Mulher-Maravilha foi criada nos anos 40 pelo Dr. William Moulton Marston, também conhecido por seu pseudônimo Charles Moulton. Moulton era um psicólogo que ajudou a criar o detector de mentiras - transformado no “laço da verdade” nos quadrinhos -, e defendia a igualdade de gêneros. Assim, 75 anos depois da sua criação e primeira aparição nas HQs, estava mais do que na hora de a heroína ganhar um filme só dela, né?


Gente, mas antes de falar do filme em si, preciso falar da escolha da atriz israelense Gal Gadot para o papel. Que linda, carismática, fofa, encantadora que ela é! Sério, acertaram muito na seleção e acho que, da mesma forma que não dá para imaginar outra pessoa como Tony Stark a não ser o Robert Downey Jr., o mesmo pode ser dito de Gal Gadot e Mulher-Maravilha.

Rolou a maior polêmica quando a escalaram para o papel, muito por causa da questão dos estereótipos: mais uma atriz no padrão magra, linda, modelo de ser, teve até gente falando que deveriam ter escolhido alguém mais forte e musculosa, mas a Gal Gadot calou muitos e mostrou que ela foi a melhor escalação da DC dos últimos tempos. Como se não bastasse, Gadot, além de ser atriz, é bailarina, modelo e ainda serviu ao exército israelense, ou seja, ela não só é treinada em combate real oficial, como também tem todo um porte, uma movimentação e imponência que transparece nas telas, tudo graças ao seu histórico. Ah! E vocês sabiam que a atriz precisou fazer refilmagens de algumas cenas com cinco meses de gravidez? Muito amor por ela!

Agora vamos ao filme. Como é a primeira obra cinematográfica dedicada exclusivamente à heroína, o longa trata de contar a história da origem de Diana, princesa das Amazonas, nossa Mulher-Maravilha.

O filme inicia-se nos dias atuais, quando Diana, enquanto trabalhava no Museu do Louvre, recebe um presente de Bruce Wayne e lembra como deixou a Ilha de Themyscira, local em que cresceu, habitada apenas por mulheres e escondida, por Zeus, do cruel Ares – deus responsável por toda a escuridão dos conflitos entre os homens. Lá Diana é educada segundo os altos padrões da ilha, aprendendo mais de cem línguas e devorando livros, atém de ser treinada por Antíope (Robin Wright), a maior de todas as guerreiras Amazonas, sob o olhar vigilante da Rainha Hipólita (Connie Nielsen).

Quando o avião do espião americano Steve Trevor (Chris Pine) rompe a redoma criada por Zeus, que mantinha a Ilha Paraíso (outro nome para Themyscira) escondida, e cai, Diana não pensa duas vezes e mergulha para salvá-lo. Uma vez levado à presença da Rainha Hipólita e das demais guerreiras, Steve conta às Amazonas do conflito de proporções gigantescas que acontece para fora dos limites da ilha e, Diana, impedida de negar o desejo de protejer os inocentes e certa de que Ares é o responsável pelo confronto global, deixa a ilha com o militar.

Existe uma enorme diferença cultural entre os personagens Diana e Trevor e a diretora do longa, Patty Jenkins, fez um trabalho incrível com esse material. Ela usa justamente as sequências de choques culturais como maneira de trazer, de forma sutil e divertida.. A própria Gal Gadot, em entrevista à revista Entertainment Weekly, fala como era importante para ela que a personagem nunca tivesse de fazer sermão sobre como os homens deveriam tratar as mulheres, tendo mais a ver como estar alheio às regras da sociedade, atiçando o espectador a ver a si mesmo e ao mundo, considerado normal, com outros olhos.

Eu não vou dar muito spoiler, mas se tem uma cena que eu preciso comentar é a que ela abre caminho na Terra de Ninguém. Quando ela chega na trincheira, local em que nenhum homem jamais conseguiu atravessar e sai, caminhando, chamando atenção e sendo o alvo de todos os tiros, é como se ali ela estivesse derrubando todas as críticas e colocando por terra todas as pequenas coisas que nós escutamos todos os dias, que não podemos fazer isso ou aquilo. Enfim, é nessa cena que temos uma personagem feminina extremamente forte. É um exemplo de heroína que ficará para as futuras gerações.


Resumindo, Mulher-Maravilha é um daqueles filmes que inspira. Ele consegue ser divertido sem ser piegas e, apesar de tratar de temas sérios, ele o faz sem ser pesado ou tolo. É um longa que encanta e fala sobre coragem, esperança e bondade e a Mulher-Maravilha é tudo isso: doce, inocente, destemida e poderosa, mas ela também é uma heroína que não tem medo de mostrar seus sentimentos.

Não há dúvidas de que ainda temos um looongo caminho a percorrer, mas hoje já podemos encontrar mulheres poderosas a frente de grandes empresas e muito bem-sucedidas em áreas outrora governada apenas por homens, como Liv Boree ou Fátima de Melo, que dominam nas mesas de poker, e Ana Beatriz Figueiredo, referência quando o assunto é automobilismo. Ainda, é impossível deixar de mencionar os feitos de Venus Williams no tênis – poucos atletas, homem ou mulher, são tão dominantes como ela.

Mas precisamos de mais e o filme Mulher-Maravilha é de grande ajuda na hora de inspirar e elucidar as novas gerações. Esse, fora o entretenimento, é um grande trunfo do longa.

#COLAB DO AMOR
O post foi feito em parceria, mas 
com o mesmo amor de sempre, tá?

Comentários

  1. Amei demais esse post porque é como me sinto com o filme. Eu amo os filmes da DC (quase todos) mas esse, sem duvida, é o melhor filme que já fizeram. Ele é realmente bom e fico tão feliz ver o respeito que tiveram com a história e toda uma mensagem por trás. Desde escalarem uma mulher, no roteiro e também na construção da Diana. O filme tem erros, como todos, e às vezes acho ele meio brega, mas mesmo assim... que filmão! Fiz questão de ir ver no cinema e feliz que esteja quebrando tantos recordes.

    Pale September

    ResponderExcluir
  2. Apenas não me perdoo por não ter assistido ainda Mulher maravilha, espero que já tenha pela net p baixar pq no cinema n tava dando no orçamento..
    beijo beijo
    Neoguedes

    ResponderExcluir
  3. Passei um mês todo apaixonada pela Gal e pelo filme. Vi tantas e tantas entrevistas... hehe. Filme maravilhoso mesmo, também não sei descrever em outras palavras. Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

os mais amados

Dossiê da Enxaqueca
Se tem um assunto no qual eu sou verdadeira expert, é Enxaqueca . Eu já fui a diferentes neurologist…
Anticoncepcional para quem tem enxaqueca
Bom, não é novidade para ninguém que eu sou uma enxaquecosa . As minhas crises são bem tensas e até…
Um caderno artesanal da Liloca Paçoca
Sim, tem sorteio novo pra vocês! Em parceria com a loja Liloca Paçoca - Atelier de Fofurices nós va…
Eu li: Comer, Rezar, Amar
Eu ainda não vi o filme, mas já ouvi falar muito sobre Comer, Rezar, Amar . Conheci devido ao ti-ti-…