27/09/16

Nunca reclamar, só agradecer

Sabe quando você tem um dia ruim? Aqueles dias em que toda a sua força te abandona e você só consegue contestar o universo? Aqueles dias meio cinzas, que te deixam com a testa enrugada e tem vontade de responder mal humorada o bom dia feliz do porteiro? Eu, sendo bem sincera, não sei muito bem o que é isso, não. Sério mesmo! Muito raramente alguém me vê ranzinza e, mesmo dando trabalho para acordar, de manhã, estou sempre bem humorada, cumprimento todo mundo e consigo ser uma boa pessoa mesmo antes da primeira grande xícara de café. Mas naquele dia, na semana passada, não tinha como. Acordei brava com a vida, com o universo e tirei o dia para enchê-lo de perguntas cheias de mágoa e insatisfação. "Por que comigo?", "por que as coisas precisam ser tão difíceis? Por que logo agora?", me perguntava. 

No dia anterior, fui dormir tarde, um pouco ansiosa, pensando nos meus problemas de gente adulta, na vida além do Instagram bonito e cheio de foto reaproveitada. Estava pensando em contas, nas consultas que eu não podia mais adiar, nos exames que precisava fazer, nos freelas, enfim. Nessas coisas que dependem única e exclusivamente de mim. Conforme ia pensando, mais agoniada ia ficando. Momentos como esses são muito delicados porque você começa a se colocar numa posição de vítima de seu próprio conflito, começa a se comparar com outras pessoas e é como se você começasse a procurar motivos para sentir pena de si mesma e, então, ser mais compreensiva, e aliviar sua própria barra. Mas, o problema é que eu não tinha a opção de ser mais legal comigo. Os problemas eram meus, bem como suas soluções seriam. Assim, na lata. 

Coloquei algum episódio solto de How I Met Your Mother, como sempre, e dormi. Quando acordei, ainda de cenho cerrado e resmungando para o despertador, o gatinho da vizinha cruzou meu caminho. Ficou ali, passeando entre minhas pernas, se esticando até suas patinhas alcançarem meus joelhos e miando alto até eu me abaixar e fazer um carinho em suas orelhas. O sorriso veio fácil em meu rosto e só foi sair quando entrei no metrô e alguém pisou no meu pé. Não estava, ainda, em meus melhores dias, mas aquela pequena coisa no meu início de manhã me deu uma leveza que eu estava procurando. Foi um "take it easy, bro". Ali, no metrô cheio, nos meus fones de ouvido no volume máximo e com as perguntas ainda em minha cabeça, eu percebi que não adiantava eu sofrer por antecipação com coisas que estavam esperando serem feitas por mim. 

Seriam feitas? Seriam.
Reclamar adiantaria? Não, não adiantaria.


Respirei fundo e parei de pensar que "ah meu deus, minha mãe não vai estar comigo pra fazer tomografia com contraste" para "ok, é só mais um exame e já tenho 24 anos". Naquela mesma manhã, marquei todas as consultas médicas, organizei as contas, passei no mercado e, na volta pra casa, observei as árvores do condomínio. Me permiti sentir o cheirinho de terra molhada pós-garoa, reparar nas diferentes plantas e agradeci, por vários segundos, a sorte de ter encontrado um lugar tão gostoso e tão perto do meu trabalho. Agradeci, enquanto percorria o caminho até o prédio, por dividir o apartamento com roomies incríveis, por ter colegas de trabalho maravilhosos e por eu estar atraindo só pessoas boas para perto de mim. Comecei a pensar nas coisas legais que aconteceram nas últimas semanas e, quando comecei a focar nas coisas boas que estavam rolando, elas deixaram os problemas infinitamente menores. 

É como aquela música bonitinha do Supercombo, a gente tem mesmo que fazer da frase "nunca reclamar, só agradecer" uma espécie de mantra, porque apesar de não parecer, nós temos muito mais motivos para sorrir do que para reclamar. Pode parecer textinho bobo de autoajuda, mas, o mundo já é duro o suficiente, todos os dias, mesmo quando não damos foco às coisas ruins. Imagine quando colocamos toda a luz nelas? Os problemas não vão desaparecer nem nada, mas, talvez, lembrar das pequenas coisas felizes e focar nelas seja o segredo de uma vida melhor.  Ou de um sorriso no rosto. 

Dar poder às coisas simples torna as coisas tão fáceis que até um gatinho cruzando o seu caminho pode desencadear um dia bom. Né? 

13 comentários:

  1. Eu te entendo, e como te entendo, tem dias que assim como esse seu parece tudo muito difícil, parece que não vamos conseguir vencer, mesmo sendo uma coisa que parece boba, mas não é. Sofrer por antecipação é meu mal, por não querer fazer aquilo que sei que tenho que fazer e aí quando faço percebo que "poxa, era tão simples". Mas cara, por que fazíamos parecer ser um monstro? Tenho tentado praticar muito isso de não reclamar, só agradecer e realmente não é fácil, só que quando você percebe que funciona só tem mais motivos ainda pra agradecer. Obrigada por esse texto, parece que você me descreveu. E sim, gatinhos são muito amor, e eles sentem quando a gente não tá bem, e vão lá tentar nos ajudar <3

    http://amorticinio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Quantas vezes dá pra dizer o quanto amei esse post? Primeiro, porque esse tipo de conteúdo é o que tenho gostado mais nos últimos tempos, não há nada tão real e sincero do que nossas experiências diárias e o que aprendemos com elas. Segundo, só li verdades. As vezes reclamo tanto de tudo que fico com vergonha de mim mesma. Muitas vezes a gente se pega olhando pro amiguinho e pensa "queria ter a vida perfeita que ele tem", mas bem, a gente não sabe se ele tem mesmo... Você faz certo, não tem como fugir dos problemas da vida se só você pode resolvê-los. Ah, nada como um gatinho dengoso pra deixar a gente mais felizinha, só de olhar pra minha gata dormindo eu me sinto melhor (de verdade!). Gostei muito do post e posso dizer com sinceridade que são conteúdos assim que ajudam a gente a ser melhor ♥
    Beijos!

    www.chuvadejujubas.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que linda! E que honra ter um texto qualificado como "conteúdos que ajudam a gente a ser melhor". Muito obrigada por isso, Ju! ♥

      Excluir
  3. Já de cara adorei o post por causa do título, que é mesmo uma espécie de mantra hohoho é algo que aprendi com o budismo, que diz que lamentar é acabar com a boa sorte. A gente sempre vai ter problemas, o importante é não deixar que eles se mostrem grandes e impossíveis de serem ultrapassados quando na verdade são bem menores do que imaginamos. Os problemas são como trampolins e a gente salta sobre eles pra poder ir mais alto ^^
    E sobre o "só agradecer", bom, vou deixar uma frase legal aqui que acho que combina com o que você falou:

    "Quando nosso crescimento cessa, não somos capazes de dizer obrigado. Quando estamos nos desenvolvendo, percebemos quanto os outros também são maravilhosos; quando paramos de crescer, só vemos as falhas das outras pessoas." - Daisaku Ikeda.

    Post maravilhoso! Parabéns *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sua linda! Muito muito obrigada!
      Eu estou muito nessa vibe de só agradecer, mesmo quando estou a beira de um ataque. E, sabe, por mais "Pollyanna" que possa parecer, estou bem em fazer isso. E muito obrigada por essa frase linda ♥

      Excluir
  4. Mih, q texto lindo! Falar pra vc q tava precisando ler algo assim hoje hehehe, é sempre bom ser lembrado de que precisamos focar nas coisas boas. O Stephen Covey fala no livro dele q senso comum não é prática comum. Ou seja, todo mundo sabe tudo q os mil textos/livros de auto-ajuda falam q vc precisa fazer pra conseguir determinada coisa, mas ng pratica essas coisas e enfim, a teoria fica só na teoria e não deveria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca parei pra pensar nisso, Mi! E faz total sentido, afinal, milhares de livros autoajuda são escritos e, de fato, para falarem sempre as mesmas coisas. Bom ponto!

      Excluir
  5. Olá, é a minha primeira visita ao blog e gostei muito do que li nesse post. Bem, não é sempre que estou feliz, também não é sempre que estou triste. Mas, independente da situação, eu procuro sempre agradecer. Nem ouso pedir muita coisa não. Só saúde e força para mim, para os meus e o mundo inteiro..rs Foco nas coisas boas, mas aprendi a necessidade de haver desafios e crises para o bem do crescimento pessoal e tento encarar a parada com dignidade...abraços!

    Vivi Lima
    sentindodeleve.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que já gostou do blog logo na primeira visita, Vivi <3 fico feliz! E sim, essas crises são muito necessárias para nosso desenvolvimento. Só precisamos ajustar nosso foco para percebê-las como tal.

      Beijo!

      Excluir
  6. Olá, é a minha primeira visita aqui e devo dizer que gostei muito do que li nesse post. Quanto a mim, não é sempre que estou feliz, não é sempre que estou triste. Porém, independente da circunstância, lembro-me com frequência de agradecer. Entendo que até mesmo as crises e os desafios vêm para o bem do crescimento individual. Abraços!

    Vivi Lima
    sentindodeleve.com.br

    ResponderExcluir
  7. Reclamamos tanto que não vemos as pequenas coisas. Eu reclamo demais e as vezes isso me faz ficar amoada ou mal humorada, mas aí eu coloco músicas e tento relax, são coisas simples assim que nos fazem melhor haha.

    Bjs

    www.estherlopes.com.br

    ResponderExcluir

MY OTHER BAG IS CHANEL © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.