15/08/15

Nós aceitamos o amor que achamos merecer


Atualmente, estou saindo direto com um amigo mais velho. Esse amigo não me dá conselhos: fala coisas na minha cara de uma forma que nunca falaram. Altos tapas na cara com luvas leves e com copos de chopp que amenizam a dor. A primeira vez em que falamos sobre coisas pessoais (até porque, até então, éramos colegas unidos por um amigo em comum) foi um evento com open bar de cerveja artesanal e eu estava bem lôca. Não sei como, mas entramos no assunto de relacionamentos. E então, no meio dessa conversa, ele falou. 

"Mih, você já viu aquele filme "As Vantagens de Ser Invisível"? Tem uma frase que você tem que levar pra vida. Ele fala que a gente aceita o amor que achamos merecer. E essa frase faz todo o sentido do mundo". 

Quando ele me falou isso, eu não só já tinha visto o filme como lido o livro. E mesmo já tendo refletido sobre isso algumas vezes, nunca aquela frase me serviu tanto como tapa na cara. Ali eu estava em uma fase bem ruim no meu relacionamento, mas não conseguia fazer nada porque as desculpas que eu mesma me dava eram mais fortes que qualquer outra frase. Mas daquela vez me fez pensar, já que ela veio aliada a uma experiência pessoal desse amigo que justificava muito meu comportamento. 

Alguns meses depois, eu e esse amigo começamos a nos falar muito. Toda semana era um happy hour onde eu desabafava sobre meus problemas, ele sobre os dele e ríamos e refletíamos bastante. Essas conversas me fizeram refletir tanto sobre mim mesma que acho que nem algumas sessões de terapia conseguiriam isso tão rapidamente. Encontrei explicações, em mim mesma, que até então eram inexplicáveis. E essas explicações eram tão óbvias que eu me senti até tola quando a constatação finalmente veio. 

Ontem, não me lembro bem o assunto, mas ele falou algo sobre eu precisar elevar meu critério. E toda a nossa primeira conversa, e o filme, e o livro, invadiram minha cabeça. Porque problemas como insegurança, autoestima e vários outros fatores fazem com que a gente abaixe nosso critério. Nos contente com o que aparecer. Relacionamentos ruins, trabalhos ruins, amizades ruins. 

Faz com que a gente aceite coisas que julgamos merecer. 

Ontem eu tinha dois rolês para fazer. Tudo na tentativa de conhecer pessoas, fugir de um momento comigo. Momento esse que falei aqui que seria de extrema importância pra mim. Depois desse outro tapa na cara, fiquei em casa. Aproveitei o tempo comigo. Dormi feito um anjo, mesmo sabendo que eu poderia estar na balada enchendo a cara (eu tinha comprado camarote pra um baile do bixo de uma universidade pública, ou seja) e tentando encontrar um conforto que eu só tive ao enfrentar uma sexta-feira em casa. A primeira sexta-feira em casa em um pouco mais de um mês. 

Cinco chopps, uma porção de bolinho de mandioca com carne-seca e uma frase que já me fez refletir há meses atrás. Essa foi a receita que me fez enfrentar a tpm, minhas dúvidas, questionamentos e o principal: o medo de ficar sozinha.


Gente, quebrei o movimento do BEDA. Mas cês relevam, né nom? Tá tendo post no sabadão com filosofias de bêbada e amanhã vai ter post também. Vamos fingir que nada aconteceu. ♥


Curtiu o post? Então mostre seu amor e compartilhe! ♥
Acompanhe o MOBIC (e a Mih) nas redes-sociais!

5 comentários:

  1. Olá!
    Eu não conheço o livro, mas adorei a frase e super concordo. Sem contar que muitas vezes a "solidão" é uma excelente conselheira.
    Bjus

    ResponderExcluir
  2. gente, essa frase muda vidas! Meu namorado dizia isso pra mim, antes de ser meu namorado, e sim, pra mim também era um tapa na cara, mas valeu imensamente! Adoro seu blog, leio sempre! e agora que eu percebi que somos "vizinhas"!!! hahaah moro em Birigui!
    bjos!

    ResponderExcluir
  3. Sabe que essa frase sempre teve tudo a ver com meus relacionamentos? Sejam eles entre eu e meu amores ou eu e minha família. Antes eu era uma pessoa total insegura e meu critério era realmente muito baixo para tudo. Eu tinha medo de ficar sozinha, de ser uma titiazona sozinha. Depois eu desencanei e acabei encontrando um amor para eu chamar de meu.

    E aliás, é meu namorado que me dá os puxões de orelha que seu amigo te dá. Ele foi incrível para eu enxergar as coisas ruins que estavam acontecendo na minha vida, e me ajudou a amadurecer bastante. Eu perdi medos, eu retirei todas as pessoas que me faziam mal e conheci amigos mais maturos. Eu tô feliz agora.

    Eu sempre falo do Schizo pra todo mundo em todo comentário hahaha mas é que ele realmente é uma pessoa incrível que me ensinou bastante coisa. E eu também ensinei muita coisa para ele. <3

    Boa sorte com suas noitadas fazendo o que você curte para si mesma. As vezes, a melhor companhia que a gente tem, somos nós mesmas! Então, hm, só começa uma série, lê um livro novo e faz uma coreografia nova a cada noite. Cê vai adorar você mesma!

    ResponderExcluir
  4. Levo essa frase pra vida, sério. Toda vez que leio ou assisto o filme vem aquele VRA de novo. E por mais que eu tente esquecer, vira e mexe essa maldita frase volta pra me botar na linha. Até coloquei ela (em francês) nessa versão do AML HUEHUEHUEHUEHUEH

    beijocas

    ResponderExcluir

MY OTHER BAG IS CHANEL © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.