14/07/15

Guinada

vitrola vintage by Shutterstock
Foto: Shutterstock

Sempre fui uma pessoa de planejar. Amo tentar prever cada ação do dia. Gosto de acreditar que tenho poder sobre meu próprio destino e que todas as coisas que eu quero vão acontecer porque fazem parte do meu plano. Quando tento alguma coisa nova, é como se lá no fundo uma voz me dissesse que aquilo vai dar certo. Quando desisto de algo, essa mesma voz me diz que fiz a coisa certa. Danço conforme a minha música, ou pelo menos gosto de acreditar nisso. Porém, se algo não sai como eu planejei, desabo

Recentemente, minha vida deu uma guinada. Em um semestre todas as minhas metas mudaram. Todas, sem nenhuma exceção. O que eu tinha certeza que queria para o resto da vida, virou neblina. Uma vontadezinha do fundo do peito tomou conta de mim e hoje me vejo nadando nessa imensidão. Uma folha em branco que em poucos segundos ficou repleta de metas esperando para serem riscadas. As vontades do passado voltaram, os sonhos do presente foram colocados em stand by. Em um ano, a minha vontade de viver voltou. 

No ano passado, nessa mesma época, eu não sabia o que fazer da minha vida. Ela saiu completamente dos eixos e eu, que sempre me achei dona do meu destino, não soube lidar. Eu não tinha vontade de nada e, nesse período, fiquei tão mal que quando vejo as coisas que postei nessa mesma data, no ano passado, pelo Timehop, eu fico triste. Me dá um aperto muito forte no coração e então agradeço. Agradeço mentalmente por ter conseguido sair daquele estado e por hoje estar assim, com essa sede de viver e com vontade de realizar sonhos que, até então, nem entravam nessa categoria. No ano passado eu não dançava minha música. Nessa época, eu vivia no silêncio. 

É estranho e pessoal demais falar sobre isso aqui no MOBIC, mas nessa mesma época, no ano passado, eu comecei a fazer terapia porque desenvolvi transtorno de ansiedade generalizada (ou TAG, o nome mais bonitinho). Perdi 10kg em uma tacada só, não conseguia dormir e a própria falta de sono me causava ansiedade. Meus relacionamentos (familiares e amorosos) ficaram debilitados na mesma frequência em que meu emocional se desestabilizava. É uma coisa horrível que apenas quem vivencia sabe como é. Procurei ajuda sozinha. Fui contar para meus pais depois da quarta sessão. Não era vergonha, era receio. Admitir que você precisa de ajuda é difícil, contar para pessoas que podem pensar que é frescura é pior ainda. Decidi ficar bem e estabilizada para poder explicar que "calma, as coisas não são assim. Está tudo bem e isso é normal". Um ano depois. 

Hoje eu sinto vontade do mundo. Ouço diferentes melodias e quero dançar todas elas. Quero ler todos os livros que tenho em casa, escrever para o blog, para o IT e fazer os releases do trabalho com a vontade de quem devora uma caixa de chocolates suíços. Eu quero fazer as coisas acontecerem. Quero viver e não só existir. 

Um ano. 

Os meus sonhos voltaram. A minha vontade de aprender, de consumir cultura, de conhecer pessoas e lugares, o amor por todas as pessoas que me rodeiam, a leveza. Tudo voltou. Gradativamente, com calma e em um ano e seis meses. A música é alta e meus passos são desajeitados, mas fechei os olhos para sentir a melodia. A minha música já toca novamente, mas aprendi a dançar conforme o que está tocando na vitrola. Posso até errar uns passos, ou até mesmo tropeçar. Mas não vou mais desabar. 

Pelo menos é como gosto de pensar.

Curtiu o post? Então mostre seu amor e compartilhe! ♥
Acompanhe o MOBIC (e a Mih) nas redes-sociais!

6 comentários:

  1. Que ótimo! Fiz tb algumas sessões de terapia, e quando eu disse aqui em casa,a primeira coisa que me perguntaram foi se eu fiquei louca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é complicado, né Luci? :|
      Uma coisa assim já é uma barra por si só, quando tem [tanto] preconceito em volta, então, piora. Ainda bem que nós conseguimos fazer terapia sem nos preocuparmos com julgamento. Infelizmente algumas pessoas não têm essa força.

      Beijo!

      Excluir
  2. Que texto lindo Mi! Fico super feliz por você! Passei por uma fase bem semelhante e senti na pele todos esses sentimentos que você descreveu... Mas ainda bem que nada é permanente... Quando a gente deseja profundamente, tudo se reorganiza. Torço muito por você 😘

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ca, sua linda! ♥
      Obrigada e muita força pra você também! Você é maravilhosa, não esquece! (:

      Excluir
  3. Me vi nessa situação a algum tempo. E por não acreditar em mim mesma deixei de viver e passei apenas a existir. É incrível como as pessoas não entendem !! amei o texto <3 , me fez querer ficar um pouco mais aqui no blog !!
    Bjus, Bia do http://julietaaocontrarioo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que linda, Bi! Muito obrigada e espero que tudo passe para você também (:

      Excluir

MY OTHER BAG IS CHANEL © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.