04/03/15

a minha palavra é amor


Fiz um desses testes bobos do Facebook. "Qual palavra resume sua vida inteira". Cliquei no de uma amiga (cujo resultado deu "Alegria" e não poderia combinar mais, visto que a aquariana é uma das pessoas mais alto-astral que já tive o prazer de conhecer na vida) porque, se acertou o dela, provavelmente acertaria o meu. E acertou. 

A descrição boba do teste bobo é a seguinte: "O amor sempre foi o fator determinante para suas escolhas na vida. Para você não existe ligação mais estreita do que a que você com a sua família, seus amigos e outros entes queridos. Você faria qualquer coisa por eles, sem eles você se sente vazio e sozinho. Seu coração é enorme e você está constantemente oferecendo carinho, aconchego e amizade às pessoas ao seu redor. As pessoas sentem que podem confiar em você, porque está claro na sua maneira de tratar os outros que você seria incapaz de negar ajuda a quem precisa." e é. 

Deixe eu contar a minha história. Eu sempre soube que minha palavra era amor. E mais que isso: eu sempre soube que eu amo demais. Meus sentimentos são, sempre, muito intensos. Se fico triste, fico triste de verdade. Se quero morrer, eu realmente quero me jogar na frente do ônibus. Se estou feliz, eu realmente pulo e você quase acredita ver estrelinhas me rodeando. Tipo uma aura drag-queen purpurinada. E quando eu amo, eu amo de verdade. Sem meias palavras, meios termos. Quando eu amo, só consigo dar o meu máximo de mim. Me dou. Inteira. 

Sempre foi assim. Com minha mãe, posteriormente com minha irmã - duas capricornianas um pouco frias, que sempre fizeram (sem querer) que eu me sentisse sensível e pegajosa demais -, com a primeira melhor amiga da escola, com o primeiro namorado e com a primeira banda favorita. Sempre amei demais e nunca soube lidar com o rompimento desse amor. Porque na minha cabeça, se é amor, não tem rompimento. Amor não acaba. Muda. E convenhamos: eu tenho sérios problemas com mudanças. 

Perguntei a um amigo, uma vez, sobre o que ele achava que mais me prejudicava na vida pessoal. Sabe quando você está naqueles dias de contestar o porquê de gostar de azul e não de verde? Perguntei o porquê de algumas coisas simplesmente não entrarem nos eixos, de ter problemas com pessoas. Namorados, familiares, amigos. "Você ama demais. E ama rápido e, quando ama, realmente quer dar amor. Esse é o seu problema. Não se ama rápido. O amor é construído, não despejado". 

Com a razão devidamente atribuída a ele, dei de ombros.

Eu não tenho culpa. Amor é a minha palavra, nome do meio e mochila inseparável.
Amor sou eu.
Inteira.

--

Acho que perceberam minha obsessão pela Jane Birkin nos últimos posts, né? Mas segura que logo menos vai ter um imenso sobre ela porque sim <3

Curtiu o post? Então mostre seu amor e compartilhe! ♥
Acompanhe o MOBIC (e a Mih) nas redes-sociais!

2 comentários:

MY OTHER BAG IS CHANEL © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.