10/04/14

Obrigada, amigos!


[me inspirei nesse texto do Gregorio Duvivier para montar - e homenagear - os amigos] 

Hiandra usava all star e tinha os cabelos longos. Enquanto todas as meninas molhavam o cabelo com as mãos no banheiro da escola, para evitar que os fios ficassem no alto, ela amassava os fios ainda mais, fazendo com que seu cabelo, quase na cintura, tivesse a aparência ainda mais cheia. Ela sempre andou com os meninos e tirava sarro das menininhas da sala. Até que virou a melhor amiga da novata com o caderno cor-de-rosa da Barbie. 

Marina tinha um olho de cada cor - um azul e um verde. Me fazia lembrar do filme "Da Magia à Sedução" justamente por essa peculiaridade. Foi no Twitter que vi que a veterana parecia mais comigo do que a maioria das pessoas da minha sala. Ela viu na novata uma repetição de sua própria história: a nerd que não conseguia se dar muito bem com os amigos da mesma turma. Era geminiana e sabia falar, e ouvir, como ninguém. Não existia alguém mais parecida e, ao mesmo tempo, que mais completava.


Odair era aluno do último semestre de Publicidade e usava bermuda e chinelo para ir à faculdade. Ele era tatuado e barbudo e nunca imaginei que seria amiga dele, afinal, eu estava no primeiro semestre de Jornalismo. Ele era melhor amigo de um amigo e tinha um blog de ilustrações. Me seguiu no Twitter e me desenhou, quando ainda tinha os cabelos vermelhos. Quando menos percebi, e para ser sincera, não me lembro como, virou uma das pessoas mais confiáveis e importantes da minha vida. 

Gabriel era tímido e usava uma camiseta com o curso, "Jornalismo", escrita em suas costas. Usava uma mochila pequena e se sentava no canto esquerdo da sala. Estava em um constante processo de descobertas e ainda usava um nick adolescente no extinto MSN. Tinha um ar infantil e alegre, mesmo com quem não fosse tão próximo. 

Patrícia mexia no celular insistentemente e chamou atenção em uma sala de quase 100 alunos quando entregou uma prova em branco, 5 minutos depois que ela foi entregue, para a professora mais carrasca. Falava alto e balançava as pernas enquanto contava sobre o quão insatisfeita estava naquele lugar. Patrícia é daquelas pessoas que eu nunca imaginei que fariam parte da minha vida - mas faz. 

Flávia ria. Ria alto, gesticulava e conversava. Fechava os olhos em todas as fotos de turma e era conhecida por seeeempre sorrir. Usava shorts, chinelos e blusas coloridas. Sempre tinha uma revista feminina na bolsa e sempre falava do Palmeiras. Por rir tanto, nos fazia rir mais ainda. Desapegada, nunca ligou para o que poderiam pensar - seja por se divertir tanto e cair numa pista ou de deitar, como bem quiser, no puff da sala de aula. Seu desapego é invejável. 

Tatiane era quieta. Talvez por ter chegado em um ambiente estranho onde todos já se conheciam. De voz doce e sorriso meigo, a menina que veio da universidade pública se mostrava apta a conhecer novas pessoas, lugares e contar sobre o que passou. Dividir experiências. Ela sempre adorou dividir suas experiências, seja a história daquela festa de república em Minas, ou daquela ida a lanchonete da esquina da faculdade. Como boa geminiana, falava falava falava e, se deixasse, falava mais ainda. Tati não era quieta. 

Hiandra não trabalha perto da faculdade, mas vem almoçar comigo sempre que eu preciso e ela sente que preciso conversar. Marina me responde de madrugada nas minhas piores crises, mesmo estando em outro país. Oda se mudou para a capital, mas ainda é mais presente que muitos amigos que vejo diariamente. Gabriel, Patrícia, Flávia e Tatiane me fazem acreditar que "terapia em grupo" é realmente eficaz.

Me ouvem, conversam e me fazem tão feliz que eu não consigo não dizer

Obrigada, amigos.

Acompanhe o MOBIC (e a Mih) nas redes-sociais!
Twitter  ♥ Facebook ♥ Instagram ♥ Youtube

Um comentário:

MY OTHER BAG IS CHANEL © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.