23/01/13

Eu li: Scar Tissue - A Vida Alucinada do Vocalista dos Red Hot Chili Peppers

Sometimes I feel like I don't have a partner...

Se tem um livro que eu adorei ler e eu não queria que acabasse, esse livro é o Scar Tissue, a biografia do Anthony Kiedis. Eu sempre curti a banda, mas nunca fui muito além das músicas tocadas na MTV (as que todo mundo conhecem). Porém, a vida me apresentou o maior fã de Red Hot Chili Peppers do mundo e conhecer a banda "direito" foi inevitável. E que bom! Passei a ouvir outras músicas, descobrir algumas favoritas (Venice Queen e This is The Place, por exemplo) e me apaixonar por álbuns específicos. Como não sou muito criativa com presentes e aproveitando o vício desse meu amigo pela banda, todos os presentes que eu comprava tinha a ver com os Chili Peppers. E foi assim que Scar Tissue entrou na minha vida. O livro é autobiográfico e é incrível.


Como eu disse ali em cima, o livro é sobre a vida dele e contada por ele, ou seja, tem todos os detalhes possíveis. É como se você estivesse sentado com o Anthony ouvindo suas histórias. Você se sente, de verdade, ao lado dele vivendo todas as experiências descritas pelo vocalista das dancinhas mais legais do mundo. Meu amigo me disse, uma vez, que o cantor se expõe tanto no livro que chegou a falar que se arrependeu de ter contado tanta coisa. Não é pra menos. Anthony conta muito sobre sua vida de sexo, drogas e rock 'n roll. E bota drogas nisso. 


AK teve seu primeiro contato com a maconha aos 11 anos - dada pelo seu pai, que naquela altura, trabalhava como traficante. Desde então o cantor passou a ser usuário das drogas e, é claro, sempre procurando algo cada vez mais forte. Aliás, este assunto toma quase que metade do livro, afinal, foi algo muito relevante em sua vida. As idas e vindas em clínicas de reabilitação, a relação conturbada com a heroína... Você vive cada minuto descrito na mesma intensidade com a qual ele narra. 

Sometimes I feel like my only friend 
Is the city I live in, the city of angels


É claro que a criação de uma das melhores bandas dessa geração teria um grande espaço em sua biografia, afinal, é um dos fatos mais importantes de sua vida. Anthony conta desde a formação (com o primeiro guitarrista, Hillel Slovak) até as brigas com os integrantes. Um episódio que me marcou bastante ao ler, foi a apresentação deles no SNL em que John Frusciante, visivelmente descontente (é engraçado ler sobre o descontentamento do outro pela ótica do AK) faz uma apresentação bizarra de Under The Bridge - uma música que Anthony diz que sempre é difícil pra ele. Conta também o quanto é dependente dos amigos e o quanto Flea e Frusciante são seus pilares - o Chad nunca foi citado como um verdadeiro amigo. "Apenas" como um fucking baterista. 

Lonely as I am, together we cry


Com o decorrer do livro, você vê o quão porra-louca Anthony é. Se o título é "A Vida Alucinada", pode crer que é isso mesmo. A maior parte dos fatos descritos eram de um Anthony chapado que se encontrava com o amigo que também chapava e eles faziam loucuras. Foi assim com Flea (embora o baixista mais incrível do mundo - Te amo, Flea! - usasse bem menos drogas) e com Hillel, o primeiro guitarrista da banda. Apesar das loucuras, Anthony se mostra uma pessoa extremamente sensível. E posso falar mais? Apaixonante - e não só no sentido que já conhecemos. Você se apaixona pela pessoa de AK, pelo quanto ele se dá em suas letras. Depois de ler o Scar Tissue você nunca mais ouve Red Hot Chili Peppers do mesmo jeito. É como se você ouvisse um Anthony contando sobre algo importante que aconteceu em sua vida.



Conforme o livro vai passando, você vê as situações e quando Anthony compõe tal música. De todas as citadas, nenhuma me arrepiou tanto como quando ele compôs Under The Bridge (que foi tão um desabafo que virou música por acaso). Em um de seus "recessos" com as drogas, Anthony se sentiu extremamente sozinho pelo fato dos outros companheiros de banda (aô, Frusciante!) se drogarem - então, passeando pelas ruas onde ele costumava se drogar, e se sentindo extremamente sozinho, veio a música. 


Under the bridge downtown/ Is where I drew some blood /Under the bridge downtown/ I could not get enough/ Under the bridge downtown / Forgot about my love / Under the bridge downtown / I gave my life away [Debaixo da ponte do centro da cidade/ É onde eu tirei um pouco de sangue / Debaixo da ponte do centro da cidade/ Eu não pude aguentar / Debaixo da ponte do centro da cidade / Esqueci do meu amor /Debaixo da ponte do centro da cidade/ Eu tirei a minha vida]

Anthony colocava tanto de seus sentimentos em canções que homenageava amigos que partiram através de suas letras. Hillel, o primeiro guitarrista - que morreu por uso excessivo de drogas - ganhou Knock Me Down e My Lovely Man (Mother's Milk, primeiro álbum com John Frusciante na guitarra, e Blood Sugar Sex Magik, respectivamente). Kurt Cobain ganhou Tearjeker, do One Hot Minute (sem Frusciante, com Navarro) e River Phoenix ganhou Transcending, também do One Hot Minute. A música da foto, Venice Queen, foi feita para uma amiga que morreu vítima de câncer.


Scar Tissue é uma prova de que Red Hot Chili Peppers é uma banda completa. São letras pessoais, com pedaços da pessoa que a compõe. Não são feitas para vender, são para deixá-los felizes, primeiramente. Mostra o quanto Flea é fofo, o quanto Frusciante é um artista de verdade, o quanto Chad é bom no que faz e, principalmente, o quão sensível, incrível e (repito) apaixonante Anthony Kiedis é. Se você curtir Red Hot, Leia. Se gostar de biografias, Leia. Se gostar do universo "sex, drugs and rock 'n roll", Leia. Se quiser um livro incrível pra você chamar de favorito, Leia também. Espero que tenha passado o tanto que gostei do livro através do post - que ficou enorme.

21 comentários:

  1. Assino embaixo de tudo que você falou!
    A banda mais linda do universo todo!
    Só uma coisinha: My Lovely Man é do Blood Sugar Sex Magik.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Ana! Arrisquei com a minha cybershot mesmo! Hahahaha acho que vou fazer mais fotinhas! Deixa o post mais "com a nossa cara" né? ^^"

    ResponderExcluir
  3. Finalmente um ótimo post no ocioso hoje, com certeza irei comprar o livro, parabéns.

    ResponderExcluir
  4. O Anthony sem dúvida, é uma pessoa incrível, assim como Flea e Chad. Mas RHCP, o que todos conhecem, é com o Frusciante. Leia mais sobre o Frusciante, ele entrou na banda, a banda estorou (88 até 92), quando saiu a banda desmoronou (lançaram one hot minute com Navarro que é considerado um fracasso perto da atuação do John e Hillel). Então frusciante, depois de se recuperar do uso de heroína - esse sim, não usou for fun, estilo AK, e sim, usava estilo junkie, isolado em sua casa. é fácil saber pelas cicatrizes no braço de enxerto (busque por fotos no google) e por seus dentes que tiveram que ser substituidos por uma protese dentária (na época paga pelo RHCP) - volta para o RHCP e lança os maiores sucessos da época: Californication e depois o album By the Way. Eu sou um grande fã de John, talvez isso afete meu julgamento, mas acho que John mova a banda, por causa de todo seu trabalho solo, que é muito melhor que RHCP (na minha opinião) com letras fortíssimas sobre morte, espiritualidade (album: will to death; to record only water for ten days; niandra lades and usually a t-shirt), momentos de crise, dor, angústia, que nunca ouvi em nenhum outro lugar, talvez mais próximo em captain beefheart, mas longe de ter a alma de frusciante!

    ResponderExcluir
  5. Eu concordo com você, Davi, até porque meu namorado, que foi citado no post endeuza o Frusciante de todas as formas possíveis HAHAHAHA. Eu enfatizei o Anthony no post porque se trata de uma autobiografia do vocalista, mas a genialidade de John nunca passou despercebida por mim - nem poderia. Inclusive, no decorrer do livro, você vê um pouco sobre isso - até mesmo no temperamento típico de artistas (artistas de verdade, não apenas músicos). :D

    ResponderExcluir
  6. Não tem como discordar de tudo que voce falou

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Comprei e li o meu em inglês, porque não achei em português.. Faz tempo que você comprou? Comprou onde?

    ResponderExcluir
  9. sem JF red hot nao eh o mesmo!!!
    mudou muito o estilo da banda durante o longo anos

    ResponderExcluir
  10. Muito legal a matéria! Vi que uma das músicas que vc mais gosta é This is the Place, tenho um cover dela no youtube!
    Quando puder, dá uma olhadinha : http://www.youtube.com/watch?v=3P37bx0F1iQ . =D

    ResponderExcluir
  11. O RHCP se puxa na arte de fazer musica boa

    o Flea é o mestre do Baixo..faz a coisa complexa parecer simples e cair no ouvido..

    parabéns pelo post

    ResponderExcluir
  12. Eles detonam na arte de tocar bem

    Flea é mestre

    otimo post

    ResponderExcluir
  13. Livro muito bom mesmo e concordo com tudo o que você falou da banda que era a melhor quando tinha o Frusciante.

    ResponderExcluir
  14. Comprei no Natal, Brenda! Na Livraria Cultura. Em português é bem mais caro que o em inglês :( como não falo inglês e minha leitura na língua tem muitos tropeços ahaha comprei traduzido. Aqui o link: http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem=3171596&sid=201682529121212766268090432&k5=17B54009&uid=

    ResponderExcluir
  15. Muito bom post, minha jovem.

    ResponderExcluir
  16. Anderson Andrade
    Já tinha ouvido a respeito do livro,mas nao sabia que já tinha sido publicado no Brasil, adoro biografias de músicos, tenho desde Tim Maia a Chopin, vou comprar hoje, valeu pela dica, nem li todo o post pra não estragar minha leitura, valeu, abraços.

    ResponderExcluir
  17. perfeito!! Já era doida pra comprar o livro agora to pirando pra ter! gostei muito da sua opinião a respeito da banda, em meu aniversario de 15 anos foi tocado "Under the bridge" de entrada, sabia da história, mas não sabia a suma importância que tinha essa música!

    ResponderExcluir
  18. Sou suspeita pra falar, pois sou apaixonada desde pequena pela banda. Já tive fases de gostar de Apache Rose Peacock, depois Can't Stop, Easily, Don't Forget Me, enfim, impossível ter apenas uma preferida.
    Gostaria de colocar que, no meu ponto de vista, a banda pode mudar de baterista e de guitarrista, mas não existe sem Flea e Anthony, principalmente sem a criatividade, inspiração e sensibilidade de nosso California King. Frusciante como cantor é um ótimo guitarrista, nunca chegará aos pés de Anthony, e I'm with You é a prova que a banda pode ir muito bem sem ele. Mesmo não tendo sido um estouro comercial, o álbum é extremamente evoluído em termos de letra e música sem deixar de ser RHCP.
    Estive em NY para a noite de autógrafos do Fandemonium, outro livro imperdível pra quem é fã da banda, e pude sentir pessoalmente toda a energia e carisma de nosso Sir Psycho Sexy, que não envelhece nunca e tem um olhar irresistível que conquista mulheres de 8 a 80, todas ali se descabelando por ele. Foi um momento mágico. Fãs do mundo inteiro se encontraram e continuamos em contato unidos pelo amor pela banda, infinito, tomara que eles nunca parem!

    ResponderExcluir
  19. Ótimo post! Parabéns! Tenho muito interesse em adquirir esta Biografia, porém não se encontra mais disponibilidade :( Gostaria de compartilhar essa história incrível para mais pessoas? Você têm interesse em vendê-lo? Eu o compraria com muito gosto! Beijos

    ResponderExcluir

MY OTHER BAG IS CHANEL © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.