28/11/11

Um Tour pela Casa Macabra de AHS

Uma mistura arquitetônica de estilos como o Tudor, o vitoriano e o francês provinciano, a fachada da casa é ao mesmo tempo fúnebre e atraente. Construída em 1910, a Mansão Rosenheim foi replicada para a ambientação da história de American Horror Story, seriado que resgata a atmosfera de clássicos do horror cinematográfico. Transmitido nos EUA pelo canal a cabo, FX, o suspense estreou na FOX Brasil no dia 8 de novembro.

Sob a influência de thrillers como "O Iluminado", "O Bebê de Rosemary" e “A Morte Tem Cara de Anjo”, a série acompanha a família Harmon em seu período de adaptação em sua nova residência. O psiquiatra Ben (Dylan McDermott), sua esposa Vivien (Connie Britton) e a filha Violet (Taissa Farmiga) mudam de Boston para Los Angeles, em fuga de problemas anteriores: o trauma por um aborto espontâneo e a subsequente traição do marido.


Em uma situação reminiscente ao terror de Stanley Kubrick, os três logo descobrem que irão habitar um local com histórico de tragédias, e, sem perceber, passam a conviver com os antigos moradores, vítimas de homicídios e suicídios, chegando a contratar um deles como governanta (a dual Moira, interpretada por Frances Conroy quando adota a aparência de anciã, e por Alexandra Breckenridge, nos momentos em que se transforma em objeto sexual para seduzir os os personagens masculinos). E se não bastassem os mortos, a mansão sofre invasões frequentes de vizinhos, em especial da excêntrica Constance (Jessica Lange) e sua filha excepcional Addie (Jamie Brewer).

Desenvolvida por Ryan Murphy e Brad Falchuk, os criadores de Glee e Nip/Tuck, a série apela mais tensão psicológica do que em sustos passageiros e se apóia na criação de mistérios. A história está cheia de enigmas, o que incluí a maldição que torna os moradores reféns da própria residência, a identidade de fantasmas ocultada por fantasias pretas de látex, ou ainda a origem do Infantata, criatura híbrida de humano e animal, meio-bebê e meio-idosa. Além disso, as motivações dos personagens são ambíguas e é mesmo difícil distinguir os vivos dos mortos.

A característica mais perturbadora da história talvez não sejam os fantasmas que desfilam pelos corredores da mansão, por mais que eles manipulem, ameacem e mesmo assediem sexualmente seus habitantes vivos. Aquilo que mais incomoda é a qualidade plausível dos atos cruéis retratados nos episódios. Da mesma maneira que o cenário recria um imóvel existente, os assassinatos mostrados na ficção são réplicas de crimes reais.


Casos famosos como o sequestro seguido de morte do bebê de Charles Lindbergh, os assassinatos de enfermeiras por Richard Franklin Speck, até mesmo o massacre de adolescentes no Instituto Columbine. Justificando o título, o seriado toca nos traumas da sociedade americana e aborda ainda questões comportamentais contemporâneas, como a automutilação, o adultério, o aborto e a desintegração familiar.

Disfuncional, família tem seus membros progressivamente ilhados em seus conflitos particulares: Ben se ocupa com atendimento a seus pacientes e é absorvido pelas chantagens de sua antigamente amante (Kate Mara) e do piromaníaco Larry (Dennis O'Hara), Vivien tenta lidar com a crise conjugal e com uma gravidez perigosa, e Violet canaliza o bullying e as crises familiares num relacionamento com Tate (Evan Peters), vizinho e paciente de seu pai, um jovem grunge de tendências psicóticas, mas não isento de romantismo.

Cientes da popularidade de amores impossíveis e sobrenaturais, Murphy e Falchuk criam no eixo do enredo uma espécie de "Crepúsculo", menos adocidada e mais doentia. É uma boa fórmula para alavancar a audiência. E o resultado não poderia ser mais positivo. Prova do sucesso do casal é o bombardeio de posts de fãs em seus perfis do Tumblr, citando frases e comentando as reviravoltas do romance, rivalizando com os comentários de outros aficionados e suas teorias sobre os mistérios da casa.

Gostou? Então veja só o trailer da série!


Um comentário:

  1. macabro *o* ahaha, vai passar aonde? nick? (não ligue para meu nível de desenformação, é que eu n tenho tv a cabo saks? euri.)

    ResponderExcluir

MY OTHER BAG IS CHANEL © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.